plástica branca

No rosto da minha filha de cinco anos
A matéria plástica que se transforma,
Racha endurecida, sem cair.
A lâmina delicada fervendo sob a pele:
Sadismo saudável, sem amarras.

Sol, genocida celular, que mata por capricho
Eus-mesmos que amam se exterminar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s